RPTF | VOLUME 13 | ANO X

Instrumentos de avaliação das habilidades temporais auditivas: Revisão sistemática

Andrezza Gonzalez Escarce, Danielle Cristine Marques, Stela Maris Aguiar Lemos

 

RESUMO

 

Objetivo: Realizar revisão sistemática de artigos publicados que utilizaram instrumentos para avaliação dos aspectos temporais auditivos em crianças e adolescentes. Métodos: A pergunta norteadora foi “Quais os instrumentos mais utilizados na avaliação dos aspectos auditivos temporais em crianças e adolescentes?”. As bases de dados incluídas na pesquisa foram Biblioteca Nacional de Medicina (PubMed), Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), Cochrane, Scopus e CINAHL. Como critérios de inclusão adotou-se: estudos artigos originais de pesquisa que respondessem a pergunta norteadora e excluídos os duplicados, com faixa etária diferente da do estudo, relatos de casos, cartas ao editor, resumos em anais de congresso, cartas ao editor, dissertações ou teses e capítulos de livros. Para análise dos dados, inicialmente, duas pesquisadoras realizaram, de forma independente, a leitura dos títulos e resumos. Posteriormente essa seleção foi comparada, em reunião de consenso, e os casos divergentes resolvidos por uma terceira pesquisadora. Após essa definição, os artigos selecionados foram lidos na íntegra para análise. Resultados: 2.124 artigos entraram para a leitura de títulos e resumos, sendo 121 selecionados para reunião de consenso. Após reunião, 101 foram lidos na íntegra, dos quais 28 foram incluídos na revisão. Conclusão: A revisão sistemática revelou que os instrumentos mais utilizados foram os de ordenação temporal, seguidos dos de resolução temporal. A maior parte dos estudos abordaram alterações de habilidades temporais auditivas e linguagem. Os instrumentos mais utilizados foram os que avaliam a habilidade de ordenação temporal simples (memória de sons verbais e não verbais). A maioria dos estudos pesquisou apenas uma das habilidades

Palavras-chave: Percepção Auditiva; Testes Auditivos; Inquéritos e Questionários; Criança; Adolescente.

DOI: dx.doi.org/10.21281/rptf.2022.13.03


 
Copyright © 2023 Associação Portuguesa de Terapeutas da Fala

 
DOI_edited.png