REVISTA PORTUGUESA DE TERAPIA DA FALA
NORMAS DE PUBLICAÇÃO

A Revista Portuguesa de Terapia da Fala (RPTF) é uma publicação científica, bianual, da Associação Portuguesa de Terapeutas da Fala (APTF) com a finalidade da divulgação da produção científica na área da Terapia da Fala e áreas afins. Esta publicação aceita trabalhos originais, de investigação aplicada ou de revisão, sobre assuntos relacionados com a comunicação, linguagem, fala, voz, motricidade orofacial, deglutição e áreas afins em português, espanhol e inglês.

O manuscrito deve ser submetido obrigatoriamente através do sítio da RPTF, na página da submissão de artigos, acompanhado de uma declaração de autor (ver aqui). O autor receberá um recibo de confirmação com um número do manuscrito.  

1

OBJECTIVOS E ÂMBITO DE ATUAÇÃO

2

MODO DE SUBMISSÃO

O autor correspondente deve ser o intermediário em nome de todos os coautores em todos os contactos com a RPTF, durante todo o processo de submissão, de revisão e publicação. O autor correspondente é também responsável por garantir que todos os potenciais conflitos de interesse são tidos em conta. O autor correspondente deve atestar, ainda, em nome de todos os coautores, a originalidade do trabalho, sendo que este não poderá ter sido publicado, na íntegra ou em parte, nem submetido para publicação noutros locais. Deverá ainda obter a permissão escrita de cada pessoa mencionada na secção “Agradecimentos”.

3

AUTORIA

Artigos originais 

Artigo que divulga a pesquisa científica realizada através de métodos quantitativos ou qualitativos apropriados.
Artigos de revisão

Um artigo que apresenta a revisão crítica e sistemática da literatura de assuntos específicos teóricos ou clínicos de relevância.

Estudo de casos

Relatos de prática baseada na evidência de casos, situações, doenças, técnicas relevantes para a Terapia da Fala.
Editoriais

Discussão ou comentário sobre trabalhos publicados por um especialista a convite do director da RPTF.

4

TIPO DE PUBLICAÇÕES

A dimensão do manuscrito (diz respeito ao texto na totalidade, isto é, artigo, referências, tabelas e figuras) e os autores não devem exceder as:

     - 8000 palavras para artigos originais. Não mais do que 30 referências; Não mais de 6 figuras/tabelas.
     - 10000 palavras para artigos de revisão. Não mais do que 50 referências; Não mais de 6 figuras/tabelas.
     - 3000 palavras para estudos de caso. Não mais do que 15 referências; Não mais de 3 figuras/tabelas.
     - 1000 palavras para editoriais. Não mais do que 10 referências.

5

DIMENSÃO DO MANUSCRITO

Os manuscritos devem ser apresentados apenas no formato compatível com o Microsoft Word for Window (PC) O manuscrito não pode ser submetido em formato PDF. A fonte a utilizar no corpo do texto será obrigatoriamente Arial corpo 12, em espaço duplo, papel tamanho A4 (212X297mm), margem de 2,5 cm, paginado em algarismos árabes. Os artigos podem ser redigidos em português, espanhol ou em inglês. Os títulos e os resumos têm de ser escritos sempre em português ou espanhol e em inglês. Todos os manuscritos devem ser preparados de acordo com as recomendações das “Normas de Vancouver” (www.icmje.org). O estilo de escrita deve ser claro, direto e ativo.

6

FORMATAÇÃO DO MANUSCRITO

Primeira página/ página de título

Título em português e inglês, conciso e descritivo Na linha da autoria, liste o nome de todos os autores (primeiro e último nome) com os títulos académicos e/ou profissionais e respetiva afiliação (departamento, instituição, cidade, país), morada e e-mail do autor correspondente (responsável pela correspondência relativa ao manuscrito)

Segunda Página

Nome do autor e título breve do artigo para cabeçalho. Se mais do que um autor, nome do autor seguido de “et al.” (em itálico).

Título (sem autores)

Resumo em português e inglês. Apenas as informações que constam no manuscrito podem ser mencionadas no resumo. Os resumos não podem remeter para o texto, não podendo conter citações nem referências a figuras. O resumo não deve exceder as 250 palavras. Palavras-chave (Keywords) devem seguir-se ao resumo. Um máximo de cinco palavras-chave (Keywords) utilizando a terminologia que consta no Medical Subject Headings (MeSH), http://www.nlm.nih.gov/mesh/MBrowser

Terceira página e seguintes

O texto deve ser apresentado com as seguintes secções: Introdução (incluindo Objetivos), Material e Métodos, Resultados, Discussão, Conclusões, Agradecimentos (se aplicável), Referências, Tabelas e Figuras. Os Artigos Originais não deverão exceder as 4000 palavras, excluindo referências e ilustrações. Deve ser acompanhado de ilustrações, com um máximo de 6 figuras/tabelas e 60 referências bibliográficas.

Referências

Os autores são responsáveis pela exatidão e rigor das suas referências e pela sua correta citação no texto. A RPTF segue as recomendações das “Normas de Vancouver” (www.icmje.org).

Notas: Não indicar mês da publicação. Nas referências com seis ou menos autores, todos devem ser nomeados. Nas referências com 7 ou mais autores devem ser nomeados os seis primeiros seguidos da expressão “et al.” em itálico. Agradecimentos

Os Agradecimentos são facultativos. Devem vir após o texto, tendo como objectivo agradecer a todos os que contribuíram para o estudo mas que não têm peso de autoria. Nesta secção é possível agradecer a todas as fontes de apoio, quer financeiro, quer tecnológico ou de consultoria, assim como contribuições individuais, não excedendo as 100 palavras.

Final do texto

Tabelas: É obrigatório o envio das tabelas a preto e branco no final do texto. As tabelas devem ser elaboradas e submetidas em documento word, em formato de tabela simples (simple grid), sem utilização de tabuladores, nem modificações tipográficas. Todas as tabelas devem ser mencionadas no corpo texto do artigo e numeradas pela ordem que surgem no texto. Indique a sua localização aproximada no corpo do texto com o comentário “Inserir Tabela no 1... aqui”. Neste caso os autores autorizam uma reorganização das tabelas caso seja necessário. As tabelas devem ser acompanhadas da respetiva legenda/ título, elaborada de forma sucinta e clara. As legendas devem ser autoexplicativas (sem necessidade de recorrer ao texto) – é uma declaração descritiva. Legenda/Título das Tabelas: Colocada por cima do corpo da tabela e justificada à esquerda. Tabelas são lidas de cima para baixo. Na parte inferior serão colocadas todas as notas informativas – notas de rodapé (abreviaturas, significado estatístico, etc.).

Figuras: Os ficheiros «figura» podem ser tantos quantas imagens tiver o artigo. Cada um destes elementos deverá ser submetido em ficheiro separado, obrigatoriamente em versão eletrónica, pronto para publicação. As figuras (fotografias, desenhos e gráficos) não são aceites em ficheiros word. Em formato TI F, JPG, AI, BMP, EMF, EPS, PDF e PSD com 300 dpis de resolução, pelo menos 1200 pixeis de largura e altura proporcional. As legendas têm que ser colocadas no ficheiro de texto do manuscrito. Caso a figura esteja sujeita a direitos de autor, é responsabilidade dos autores do artigo adquirir esses direitos antes do envio do ficheiro à Revista Portuguesa de Terapia da Fala, obrigatoriamente.

Legenda das Figuras: Colocada por baixo da figura/gráfico e justificada à esquerda. Só são aceites imagens de indivíduos quando necessárias para a compreensão do artigo. Se for usada uma figura em que o indivíduo seja identificável deve ser obtida e remetida à Revista Portuguesa de Terapia da Fala a devida autorização. Se a fotografia permitir de forma óbvia a identificação do indivíduo, esta poderá não ser aceite. Em caso de dúvida, a decisão final será do Diretor da Revista Portuguesa de Terapia da Fala.

Desenhos e gráficos: Os desenhos e gráficos devem ser enviados em formato vetorial (AI, EPS) ou em ficheiro bitmap com uma resolução mínima de 600 dpi. A fonte a utilizar em desenhos e gráficos será obrigatoriamente Arial. As imagens devem ser apresentadas em ficheiros separados submetidos como documentos suplementares, em condições de reprodução, de acordo com a ordem em que são discutidas no texto. As imagens devem ser fornecidas independentemente do texto.

7

COMPONENTES DO MANUSCRITO

Citações no corpo do texto: Todas as citações no corpo do manuscrito devem ser numéricas, colocadas por cima da linha de texto (em expoente), por exemplo, "(...) embora a prática baseada na evidência ainda esteja a ser (...)".

Uso de símbolos e abreviaturas: O uso de símbolos deve seguir as normas internacionais, por exemplo, IPA (International Phonetic Alphabet). Não use abreviaturas ou acrónimos no título nem no resumo, e limite o seu uso no texto. Se for imprescindível recorrer a abreviaturas não consagradas, devem ser definidas na primeira utilização, por extenso, logo seguido pela abreviatura entre parêntesis. Não coloque pontos finais nas abreviaturas.

Unidades de Medida: As medidas de comprimento, altura, peso e volume devem ser expressas em unidades do sistema métrico (metro, quilograma ou litro) ou seus múltiplos decimais e as temperaturas devem ser dadas em graus Celsius (ºC). Para mais informação consulte a tabela de conversão “Units of Measure” no website da AMA Manual Style.

Nomes de produtos: Use o nome não comercial dos dispositivos ou de outros produtos, a menos que o nome comercial seja essencial para a discussão. Imagens: Numere todas as imagens (figuras, gráficos, tabelas, fotografias, ilustrações) pela ordem de citação no texto e assinaladas em numeração árabe (ex. Fig 1, Tabela 1). Inclua um título/legenda para cada imagem (uma frase breve, de preferência com menos de 10 a 15 palavras).

8

NORMAS GERAIS

Os procedimentos regem-se pelo seguinte plano:

1. O autor correspondente receberá notificação da receção do manuscrito por correio eletrónico;

2. O manuscrito submetido será inicialmente analisado pelo Conselho de Redação da Revista Portuguesa de Terapia da Fala para verificar se o mesmo está de acordo com as normas de publicação e se enquadra na política editorial. Poderá ser recusado nesta fase, sem envio a revisores. Poderá ainda ser solicitado ao autor correspondente os elementos em falta e/ou algumas correções.

3. O Conselho de Redação da Revista Portuguesa de Terapia da Fala enviará o manuscrito a, no mínimo, dois revisores para avaliação de acordo com os seguintes critérios: originalidade, atualidade, clareza de escrita, método de estudo apropriado, dados válidos, conclusões adequadas e apoiadas pelos dados, importância, com significância e contribuição científica para o conhecimento da área. A Revista Portuguesa de Terapia da Fala segue um rigoroso processo cego (single-blind) de revisão por pares (peer-review, externos à revista). A identidade dos revisores é confidencial. O manuscrito e todos os detalhes associados são mantidos confidenciais pela Direção da Revista Portuguesa de Terapia da Fala e por todas as pessoas envolvidas no processo de revisão.

4. Os revisores deverão, no prazo máximo de quatro semanas, responder ao editor indicando os seus comentários relativos ao manuscrito sujeito a revisão com base em três critérios: a) aceite sem sugestão de alterações; b) aceite após modificações (indicando as sugestões); c) recusado (opcionalmente indicando a razão da não aceitação).

5. No prazo de 15 dias após a receção dos pareceres dos revisores, o Conselho de Redação deverá informar os autores da decisão tomada, reenviando o artigo com os comentários dos revisores, se houver lugar a reformulação.

6. Os autores dispõem de 20 dias para submeter a nova versão revista do manuscrito, contemplando as modificações recomendadas pelos revisores e pela Direção da Revista Portuguesa de Terapia da Fala. Quando são propostas alterações, o autor deverá enviar, no prazo máximo de 20 dias, um e-mail à Direção da Revista Portuguesa de Terapia da Fala respondendo a todas as questões colocadas e anexando uma versão revista do artigo com as alterações inseridas destacadas com cor diferente.

7. A Direção da Revista Portuguesa de Terapia da Fala envia aos revisores uma versão revista do artigo com as alterações inseridas destacadas com cor diferente. Os revisores dispõem de quatro semanas para o envio dos seus comentários e da sua sugestão quanto à aceitação ou recusa para publicação do mesmo.

8. No caso da aceitação, em qualquer das fases anteriores, a mesma será comunicada ao Autor correspondente. Quando o artigo é aceite para publicação é mandatário o envio via e-mail de um documento digitalizado, assinado por todos os Autores, onde terão de preencher e assinar o “Formulário de autoria” com a 6 responsabilidade da autoria, critérios e contribuições; conflitos de interesse, financiamento e partilha dos direitos de autoria com a (nome).

9. Após aceitação do artigo para publicação e a finalização de todo o processo de revisão do artigo a Direção da Revista Portuguesa de Terapia da Fala enviará o artigo para revisão dos Autores já com a formatação final, mas sem a numeração definitiva. Os Autores dispõem de cinco dias para a revisão do texto e comunicação de quaisquer erros tipográficos. Nesta fase, os Autores não podem fazer qualquer modificação de fundo ao artigo, para além das correções de erros tipográficos e/ou ortográficos. Não são permitidas, nomeadamente, alterações a dados de tabelas ou gráficos, alterações de fundo do texto, etc. Após a resposta dos Autores, ou na ausência de resposta, após o decurso dos cinco dias, o artigo considera-se concluído para edição.

9

PROCESSO EDITORIAL

A Revista Portuguesa de Terapia da Fala publica alterações, emendas ou retrações a um artigo anteriormente publicado. Alterações posteriores à publicação assumirão a forma de errata.

Qualquer dúvida deverá ser submetida através do email: revista.científica@aptf.org

 

10

NOTA FINAL

A Revista Portuguesa de Terapia da Fala é uma publicação da Associação Portuguesa de Terapeutas da Fala |  Copyright © 2020